quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Mudemos o nome da ponte José Sarney para ponte Negro Gerô.



No ano 2000 participei, junto com mais de 30 militantes de várias correntes politicas e também de variados movimentos sociais do Maranhão e de milhares de outros Estados do País em porto Seguro no interior da Bahia, de atos de protestos contra o engodo anunciado por FHC e exaltado pela Rede Globo sobre a comemoração dos 500 anos do descobrimento do Brasil. Eles queriam que a maioria dos brasileiros, índios, negros, militantes que lutaram contra a Ditadura e o povo pobre esquecido pela Classe Dominante desse país comemorassem aqueles quinhentos anos de forma positiva.

            Os militantes que lá estiveram disseram um sonoro não aquela elite branca, racista e assassina representada pelo PSDB na pessoa de FHC. O Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado – PSTU esteve presente e orientou seus militantes do país que juntassem forças e participassem daquele momento. Foi uma felicidade imensa participar daquele ato histórico.

            Ontem aqui no Maranhão estive presente eu um ato histórico ocorrido em frente ao Palácio dos Leões, a posse de mais um governador que deseja ser o carrasco implacável da Oligarquia Sarney e de alterar os índices negativos do IDH do nosso estado em benefícios do povo do maranhão.

            Não estava lá como decisão e orientação do PSTU, pois seremos oposição a este governo, mas sim como militante social que queria registrar o momento histórico e também para ouvir a boa música brasileira cantada por vários artistas maranhenses.

            Fiquei atento ao discurso de posse o Governador Flávio Dino. Nele várias medidas de impacto imediato foram apresentadas. No entanto, valendo-se da musica de Bob Dylan disse que as palavras são importantes ecoarem no vento, mas são mais importantes ainda se concretizadas.
            Anunciou auditoria no caso dos precatórios da Costran, mas esperamos que se estenda a toda a Administração da oligarquia. Afirmou que os Diretores das escolas agora serão escolhidos em eleição direta, mas não tocou em concurso publico para professores, apesar de ter convocado novos concursados da policia militar e de realizar concurso para profissionais da saúde.

            Em fim, descreveu um rol de medidas importantes  que não tocam a fundo na estrutura do capital, mas que simbolizam uma vontade de alterar os desmandos de décadas de uma oligarquia opressora e corrupta.

Uma delas me chamou atenção. Foi um decreto dispõe sobre a denominação de logradouros e prédios públicos sob o domínio ou gestão estadual. Com suas palavras estar proibido o uso de nomes de pessoas vivas ou que estejam inseridas no relatório final da Comissão Nacional da Verdade, como responsáveis por crimes cometidos durante a ditadura militar em prédios públicos.


Para que estas palavras não fiquem ao vento lanço o desafio para todos e para o movimento negro em particular que transformemos o nome da Ponte José Sarney. Que de agora em diante ela passe a se chamar ponte Negro Gerô ou outro nome que nos faça lembrar sempre da luta do povo negro e da morte cruel do cantor e companheiro Gerô.

Nenhum comentário:

Postar um comentário